Read Microsoft Word - ANEXO I text version

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

ANEXO I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA OS CARGOS DE ENSINO MÉDIO Língua Portuguesa Compreensão e interpretação de palavra, frase ou texto. Coesão e coerência. Ortografia: uso de x, ch, ss, s, sc, ç, g, j. Divisão silábica. Uso do hífen. Pontuação: vírgula, ponto e vírgula, travessão e parênteses. Acentuação gráfica. Fonologia: fonemas, sílabas, encontros consonantais e vocálicos (ditongo, tritongo, hiato). Morfologia: artigo, adjetivo, advérbio, pronome, preposição, substantivo, verbo, conjunção, numeral, interjeição. Singular, plural, masculino e feminino. Sintaxe: voz passiva e ativa, concordância nominal e verbal, regência nominal e verbal. Semântica: sinônimo, antônimo, figuras de linguagem, conotação e denotação. Uso dos porquês, mas e mais, bem e bom, mal e mau. Variação lingüística. Gênero e tipo textual. Novo acordo ortográfico. Literatura: gêneros, períodos e estilos literários. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: AZEREDO, José Carlos de. Gramática Houaiss da Língua Portuguesa. 3 ed. São Paulo: Publifolha, 2010. BAKHTIN, Mikhail M. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992. BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa Portuguesa. Brasília: SEF. 1997. CEREJA, William R.; MAGALHÃES, Thereza C. Português: Linguagens São Paulo: Atual, 2003. Linguagens. . FARACO, Carlos E.; MOURA, Francisco. Língua e Literatura São Paulo:Ática, 2000. Literatura. . FARACO, Carlos E.; MOURA, Francisco. Literatura Brasileira 10 ed. São Paulo: Ática, 1999. Brasileira. FIORIN, J. L. Introdução à Linguística I objetos teóricos São Paulo: Contexto, 2002. teóricos. . HOLANDA, Aurélio Buarque. Dicionário Aurélio da língua portuguesa 5 ed. Curitiba: Positivo, 2010. portuguesa. LIMA, Carlos H. da Rocha. Gramática normativa da língua portuguesa ­ segundo o novo acordo . ortográfico. São Paulo: José Olympio, 2010. NICOLA, José de. Língua, Literatura e Redação 8 ed. São Paulo: Scipione, 1999. SECRETARIA DE ESTADO Redação. DA EDUCAÇÃO. Reforma ortográfica da Língua Portuguesa: Como fica nossa língua escrita. Florianópolis: escrita IOESC, 2009. TRAVVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e Interação: uma proposta para o ensino de gramática. gramática 9. Ed. São Paulo: Cortez, 2003. Matemática Operações fundamentais: adição, subtração, multiplicação e divisão no conjunto dos números naturais e racionais. Regra de três simples e juro simples. Razão e proporção. Sistema métrico decimal. Potenciação

Página | 1

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

e Radiciação. Porcentagem. Grandezas proporcionais. Equações de 1º grau. Problemas. Números primos. Sistema Monetário Brasileiro. Geometria: área, perímetro e volume de figuras planas. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: BEZERRA, Manuel Jairo. Matemática: 2 grau volume único São Paulo: Editora Scipione, 1994. 2° único. . DANTE, Luiz Roberto. Matemática: Volume único. São Paulo: Editora ática, 2005. GIOVANNI, José Rui; BONJORNO, José Roberto. Matemática Completa. São Paulo: FTD, 2005 NERY, Chico; TROTTA, Fernando. Matemática: curso completo 1 ed. São Paulo: Moderna, 1986. completo. Conhecimentos Gerais Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) ­ Lei nº 9,394/1996. Estatuto da Criança e do Adolescente ­ Lei nº 8.069/1990. Aspectos geográficos, históricos, físicos, econômicos, sociais, políticos e estatísticos do Brasil, do Estado e do Município. Símbolos nacionais, estaduais e municipais. Lei Orgânica do Município. Atualidades nos assuntos relacionados com economia, história, política, meio ambiente, justiça, segurança pública, saúde, cultura, religião, esportes, inovações tecnológicas e científicas, do município, do Estado, do Brasil e do mundo. RECOMENDADAS: BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: Guia do Estudante Atualidades - Vestibular + Enem ­ 2011. São Paulo. Editora Abril. Revista Veja. Retrospectiva do Ano. Site do Estado de Santa Catarina: www.sc.gov.br ­ História e Geografia de Santa Catarina. Site do Jornal Nacional - http://g1.globo.com/jornal-nacional/. Site do Município de Chapecó (SC): www.chapeco.sc.gov.br. BRASIL Constituição da Republica Federativa do Brasil. Diário Oficial da União, Brasília, 5 de outubro de 1988 _______. Ministério da Educação (2010). Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Parecer CNB/CEB nº 7/2010. Resolução nº4, de 13 de jul. _______. Estatuto da Criança e do Adolescente Lei n.º 8.069/90, de 13 de julho de 1990. São Paulo: CBIA ­ Adolescente. SP, 1991. _______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei n.º 9.394/96, de dezembro de 1996. Nacional.

CONTEÚDOS ESPECÍFICOS PARA ENSINO MÉDIO PROFESSOR COM 2° GRAU AC HABILIDADES ARTÍSTICOHABILIDADES ARTÍSTICO-CULTURAIS MÚSICA Teoria da música. História da música. O ensino da música na prática escolar. Noções básicas da notação

Página | 2

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

musical e suas terminologias: pauta, claves, notas, pausas, altura, duração, intensidade, timbre. Elementos da música: melodia, harmonia e ritmo. Compasso simples, composto, alternado, e correspondente. Ponto de aumento. Ligaduras: de prolongamento e de expressão. Semitom, tom e alterações. Intervalo natural, diatônico e cromático. Intervalos: maiores, menores, justos, aumentados, diminutos e inversão. Enarmônica. Escalas: maiores, menores (natural, harmônica e melódica). Ciclo das quartas e das quintas. Acordes: maiores, menores, aumentados e diminutos, inversão de acordes. Acento métrico, síncope, contratempo, anacruse e quiáltera. Articulações: staccato, legato, portato, tenuto, acento. Dinâmica e sinais de expressão. Sinais de repetição. Abreviaturas. Ornamentos. Transposição. Noções de harmonia e instrumentação. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: Dicionário OXFORD de Música. GRIFFTHS, Paul. A música moderna Rio de Janeiro: Zahar, 1897. moderna. LOUREIRO, Alicia M. A. O ensino da música na escola fundamental. Campinas: Papirus, 2003. MED, Bohumil. Teoria da Música 4 ed. Brasília: Musimed, 1996. Música. NEVES, José Maria. Música contemporânea Brasileira. São Paulo: Ricordi Brasileira, 1981. contemporânea ROSEN, Charles. A Geração Romântica São Paulo: EDUSP, 2000. Romântica. SWANWICK, Keith. Ensinando música musicalmente. São Paulo: Moderna, 2003. musicalmente PROFESSOR COM MAGISTÉRIO EDUCAÇÃO INFANTIL ­ 1ª A 5ª SÉRIE Educação no mundo atual. Fundamentos e Princípios da Educação Inclusiva. Articulação dos conceitos: infância, brincadeira, ludicidade, desenvolvimento e aprendizagem. Alfabetização e Letramento. Aspectos teóricos e metodológicos da educação básica. Interdisciplinaridade. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: REGO. Tereza Cristina. Vygotsky: uma perspectiva histórico cultural da educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995. ANTUNES, Celso. A construção do afeto como estimular as múltiplas inteligências de seus filhos. São afeto: Paulo: Augustus. BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais Brasília: MEC/SEF, Nacionais. 1998. Introdução, 5.ª a 8.ª série. Libâneo, J. C. Didática. São Paulo: Cortez Editora (Série Formação Geral). Perrenoud, Philippe. Dez competências para ensinar Porto Alegre, Artes Médicas ­ Sul 2000, cap. 2 a 6. competências ensinar. BRASIL. Ministério da Educação. SEESP. Acessibilidade arquitetônica In: BRASIL. Ministério da arquitetônica. Educação. Atendimento educacional especializado: deficiência física. Brasília, 2007. p. 105 -108. ________. Inclusão escolar de alunos cegos e baixa visão In_. Atendimento educacional especializado: visão. deficiência visual. Brasília, 2007. p. 13 -27. SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro. Editora WVA, 1997. SOARES, M. Letramento um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica. Letramento:

Página | 3

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

SOARES, Magda. Alfabetização e Letramento São Paulo: Contexto, 2003. Letramento. KISHMOTO. Tizuko Morchida. Jogos brinquedo, brincadeira e a educação São Paulo: Cortez, 1996. educação. VYGOSTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1992. Linguagem. _____________ A formação social da mente São Paulo: Martins Fontes, 1984. mente.

CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA OS CARGOS DE ENSINO SUPERIOR Língua Portuguesa Compreensão e interpretação de palavra, frase ou texto, reconhecimento e compreensão de diferentes tipos e gêneros textuais, coesão e coerência. Ortografia: uso de x, ch, ss, s, sc, ç, g, j. Divisão silábica. Pontuação. Uso do hífen. Acentuação gráfica. Crase. Fonologia: fonemas e letras, sílabas, encontros consonantais e vocálicos (ditongo, tritongo, hiato). Uso dos porquês, mas e mais, bem e bom, mal e mau. Morfologia: processos de formação de palavras, artigo, adjetivo, advérbio, pronome, preposição, substantivo, verbo, conjunção, numeral, interjeição, flexões, conjugação verbal. Sintaxe: da oração e do período composto, voz passiva e ativa, concordância nominal e verbal, regência nominal e verbal, colocação pronominal. Semântica: relações de significados entre palavras e orações, polissemia, sinônimo, antônimo, homônimos e parônimos, figuras de linguagem, conotação, denotação, ambiguidades. Novo acordo ortográfico. Literatura: gêneros, períodos e estilos da literatura brasileira. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: AZEREDO, José Carlos de. Gramática Houaiss da Língua Portuguesa 3 ed. São Paulo: Publifolha, 2010. Portuguesa. CEREJA, William R.; MAGALHÃES, Thereza C. Português: Linguagens São Paulo: Atual, 2003. Linguagens. FARACO, Carlos E.; MOURA, Francisco. Língua e Literatura. São Paulo: Ática, 2000. HOLANDA, Aurélio Buarque. Dicionário Aurélio da língua portuguesa 5 ed. Curitiba: Positivo, 2010. portuguesa. KOCH, I.G.V. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez, 2005. texto LIMA, Carlos H. da Rocha. Gramática normativa da língua portuguesa ­ segundo o novo acordo ortográfico. São Paulo: José Olympio, 2010. NICOLA, José de. Língua, Literatura e Redação. 8 ed. São Paulo: Scipione, 1999. SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO. Reforma ortográfica da Língua Portuguesa Como fica nossa Portuguesa: língua escrita. Florianópolis: IOESC, 2009. Matemática Operações fundamentais: adição, subtração, multiplicação e divisão no conjunto dos números naturais, inteiros e racionais. Fatoração. Regra de três simples e composta. Juros simples. Razão e proporção. Produtos notáveis. Teoria dos conjuntos e unidades. Sistema métrico decimal. Potenciação e radiciação. Porcentagem. Grandezas proporcionais. Equações e sistema de equações de 1º grau. Problemas. Números primos. Sistema Monetário Brasileiro. Geometria: área, perímetro e volume de figuras planas.

Página | 4

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: BEZERRA, Manuel Jairo. Matemática: 2 grau volume único São Paulo: Editora Scipione, 1994. 2° único. DANTE, Luiz Roberto. Matemática Volume único São Paulo: Editora ática, 2005. Matemática: único. GIOVANNI, José Rui; BONJORNO, José Roberto. Matemática Completa São Paulo: FTD, 2005 Completa. NERY, Chico; TROTTA, Fernando. Matemática: curso completo 1. ed. São Paulo: Moderna, 1986. completo. BOYER, Carl. História da matemática. 2º Ed. São Paulo: Edgard Blucher, 1999. Conhecimentos Gerais Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) ­ Lei nº 9,394/1996. Estatuto da Criança e do Adolescente ­ Lei nº 8.069/1990. Aspectos geográficos, históricos, físicos, econômicos, sociais, políticos e estatísticos do Brasil, do Estado e do Município. Símbolos nacionais, estaduais e municipais. Lei Orgânica do Município. Atualidades nos assuntos relacionados com economia, história, política, meio ambiente, justiça, segurança pública, saúde, cultura, religião, esportes, inovações tecnológicas e científicas, do município, do Estado, do Brasil e do mundo. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: Guia do Estudante Atualidades - Vestibular + Enem ­ 2011. São Paulo. Editora Abril. Revista Veja. Retrospectiva do Ano. Site do Estado de Santa Catarina: www.sc.gov.br ­ História e Geografia de Santa Catarina. Site do Jornal Nacional - http://g1.globo.com/jornal-nacional/. Site do Município de Chapecó (SC): www.chapeco.sc.gov.br. BRASIL Constituição da Republica Federativa do Brasil. Diário Oficial da União, Brasília, 5 de outubro de 1988 _______. Ministério da Educação (2010). Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Parecer CNB/CEB nº 7/2010. Resolução nº4, de 13 de jul. _______. Estatuto da Criança e do Adolescente Lei n.º 8.069/90, de 13 de julho de 1990. São Paulo: CBIA ­ Adolescente. SP, 1991. _______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei n.º 9.394/96, de dezembro de 1996. Nacional.

ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PARA ENSINO SUPERIOR PROFESSOR COM CURSO SUPERIOR AC HABILIDADES ARTÍSTICO-CULTURAIS ARTÍSTICODANÇA Os diferentes tipos de Linguagem (Comunicação), ou as diferentes formas de comunicar. A Linguagem corporal ou gestual. Os gestos. O Ritmo do Universo e do corpo. Os ciclos cicardianos. Aspectos das Artes Cênicas relacionadas com a Educação Física: representações temáticas (contos dramatizados, o circo, o

Página | 5

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

carnaval, festa junina, etc.) e Mímica. Aspectos das Artes Plásticas relacionadas com a Educação Física: construção de materiais que facilitem a representação com materiais tradicionais e não tradicionais da Educação Física. Maquiagem. Vestuários. Aspectos das Artes Musicais relacionados com a Educação Física: construção de instrumentos musicais e diferentes utilizações da música. Percussões e sons com o corpo. Danças circulares. Jogos e Brincadeiras. Integração dos conteúdos rítmicos expressivos para a formulação de trabalhos que demonstrem o domínio conceitual da linguagem corporal. Na forma de: Esquetes; Parodias; Coreografias. História da Dança. Balé: de Repertório, de Corte, Romântico, NeoRomântico, balé no Brasil, métodos do Balé, Ballet Agrippina Vaganova (método da Escola), avaliação, desenvolvimento da aula de Ballet, criador das posições, principais bailarinos e transformação do Balé. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: Dalal Achar - Balé uma arte Agrippina Vaganova - Princípios Básicos do Ballet Clássico Eliana Caminada - História da Dança, Evolução Cultural Programa de Ensino de Ballet uma proposição: Eliana Caminada e Vera Aragão, 2006 SAMPAIO, Flávio. Ballet essencial, Rio de Janeiro: Ed. Sprint, 1996. PROFESSOR DE ARTES PLÁSTICAS COM LICENCIATURA PLENA OU BACHARELADO ARTÍSTICOHABILIDADES ARTÍSTICO-CULTURAIS ARTES PLÁSTICAS A especialidade do conhecimento artístico e estético. A produção artística da humanidade em diversas épocas, diferentes povos, países, cultura. Identidade e diversidade cultural. A contextualização conceitual, social, política, histórica, filosófica e cultural da produção artístico-estética da Humanidade. Arte-Linguagem: O homem ­ ser simbólico. Arte: Sistema semiótico da representação. Os signos não verbais. As linguagens da arte: visual, audiovisual, música, teatro e dança. Construção/produção de significados nas linguagens artísticas. Leitura e análise. Elementos e recursos das linguagens artísticas. O papel da arte na educação. O professor como mediador entre a arte e o aprendiz. O ensino e a aprendizagem em arte. Fundamentação teórico-metodológica. O fazer artístico, a apreciação estética e o conhecimento histórico da produção artística da humanidade na sala de aula. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: ARGAN, Giulio Carlo. Arte moderna São Paulo: Companhia das Letras, 1992. moderna. BARBOSA, Ana Mae. Arte/educação contemporânea consonâncias internacionais. São Paulo: Cortez, contemporânea: 2006. CALABRIA, Carla P. Arte, história e produção. São Paulo: FTD, 1997. produção Dondis A. Sintaxe da Linguagem Visual. 3 Ed. São Paulo, Martins /fontes, 1991. . JANSON, H. W. História geral da arte, o mundo antigo e a idade média São Paulo: Martins Fontes, 1993. média. JANSON, H. W. História geral da arte, renascimento e barroco. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

Página | 6

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

LEONARDI, A. C.; CANTELE, B. R. Arte e habilidade 2 ed. São Paulo: IBEP, 2004. habilidade. OLIVEIRA, Sandra Ramalho. Imagem também se lê São Paulo: Rosari, 2006. lê. OSTROWER, Fayga. Criatividade e processo de criação. 15 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2001. PROFESSOR DE MÚSICA COM LICENCIATURA PLENA OU BACHARELADO ARTÍSTICOHABILIDADES ARTÍSTICO-CULTURAIS MÚSICA Teoria da música. História da música. O ensino da música na prática escolar. Noções básicas da notação musical e suas terminologias: pauta, claves, notas, pausas, altura, duração, intensidade, timbre. Elementos da música: melodia, harmonia e ritmo. Compasso simples, composto, alternado, e correspondente. Ponto de aumento. Ligaduras: de prolongamento e de expressão. Semitom, tom e alterações. Intervalo natural, diatônico e cromático. Intervalos: maiores, menores, justos, aumentados, diminutos e inversão. Enarmônica. Escalas: maiores, menores (natural, harmônica e melódica). Ciclo das quartas e das quintas. Acordes: maiores, menores, aumentados e diminutos, inversão de acordes. Acento métrico, síncope, contratempo, anacruse e quiáltera. Articulações: staccato, legato, portato, tenuto, acento. Dinâmica e sinais de expressão. Sinais de repetição. Abreviaturas. Ornamentos. Transposição. Noções de harmonia e instrumentação. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: Dicionário OXFORD de Música. GRIFFTHS, Paul. A música moderna Rio de Janeiro: Zahar, 1897. moderna. LOUREIRO, Alicia M. A. O ensino da música na escola fundamental Campinas: Papirus, 2003. ensino fundamental. MED, Bohumil. Teoria da Música 4 ed. Brasília: Musimed, 1996. Música. NEVES, José Maria. Música contemporânea Brasileira São Paulo: Ricordi Brasileira, 1981. Brasileira. ROSEN, Charles. A Geração Romântica São Paulo: EDUSP, 2000. Romântica. SWANWICK, Keith. Ensinando música musicalmente. São Paulo: Moderna, 2003. PROFESSOR DE ARTES CÊNICAS COM LICENCIATURA PLENA OU BACHARELADO ARTÍSTICOHABILIDADES ARTÍSTICO-CULTURAIS ARTES CÊNICAS Estrutura do Jogo teatral: o que, quem, onde. Objetivo e foco do jogo teatral. Ação dramática: a imaginação, a atenção no acontecimento. A contracenação. A improvisação e o diálogo; Estudo do Jogo; Estrutura e elementos da improvisação; Elementos da ação; Exercício da construção da cena: situação dramática inicial, fundamental, central e final a partir da ação psicofísica. A relação criadora entre o ator e os elementos cênicos: iluminação, sonoplastia, cenário, figurino e maquiagem. Técnicas, tendências e princípios artísticos dos primeiros encenadores autônomos: Meiningem - obra como a totalidade artística. Stanislavski - a ética e a organicidade do ator. O encenador como criador absoluto: Craig, Appia, Copeau, Artaud. Teatro engajado: Brecht - teatro dialético. Meyerhold: a teatralidade e a biomecânica.

Página | 7

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

Grotowski e o teatro sagrado. Eugênio Barba e o teatro antropológico. Teatro e encenadores brasileiros: Antunes Filho, Gerald Thomas, Zé Celso Martinez Correa. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: ARISTÓTELES. Arte poética. São Paulo: Abril Cultura, 1973. ASLAN, Odete. O ator no século XX São Paulo: Perspectiva, 1994. XX. BENTLEY, Eric. O dramaturgo como pensador. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991. BERTHOLD, Margot. História mundial do teatro São Paulo: Perspectiva, 2000. teatro. BOLESLAWSKI, Richard. A formação do ator Rio-Lisboa: Ed. Páginas. ator. BRANDÃO, Junito de Souza. Teatro grego: tragédia e comédia. Petrópolis: Vozes, 1984. CARLSON, Marvin. Teorias do teatro: estudo histórico-crítico, dos gregos à atualidade São Paulo: Unesp, históricoatualidade. 1997. CARVALHO, Enio. História e formação do ator. São Paulo: Ática, 1989. CHACRA, Sandra. Natureza e sentido da improvisação teatral São Paulo: Perspectiva, 1991. teatral. . COURTNEY, Richard. Jogo, teatro e pensamento. São Paulo: Perspectiva, 1980. FO, Dario. Manual mínimo do ator São Paulo: SENAC, 1999. ator. GUINSBURG, J. Stanislavski e o teatro de arte de Moscou São Paulo: Perspectiva, 1985. Moscou. _________________. Stanislavski, Meyerhold e Cia. São Paulo: Perspectiva, 2001. HAUSER, Arnold. História social da literatura e da arte. São Paulo: Mestre Jou, 1972. KOUDELA, Ingrid. Jogos teatrais. São Paulo: Editora Perspectiva, Série Estudos, 1992. KOUDELA, Ingrid. Texto e jogo São Paulo: Perspectiva, 1996. jogo. KUSNET, Eugenio. Ator e método. Rio de Janeiro: Serviço Nacional de Teatro, 1975. _____________________. Iniciação à arte dramática São Paulo: Brasiliense, 1968. dramática. ROSENFELD, Anatol. História da literatura e do teatro alemães. São Paulo: Perspectica, 1993. _______________. El trabajo del actor sobre si mismo en el proceso creador de las vivencias. Buenos Aires: Quetzal, 1980. _______________. El trabajo del actor sobre si mismo en el proceso creador de la encarnación Buenos encarnación. Aires: Quetzal, 1983. _______________. El trabajo del actor sobre su papel. Buenos Aires: Quetzal, 1977. _______________. Mi vida en el arte. Habana/Cuba: Arte y Literatura, 1985. el _______________. A preparação do ator. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira S.A., 1986. _______________. Trabajos teatrales: correspondência. Buenos Aires: Quetzal, 1986. ROUBINE, Jean-Jacques. A linguagem da encenação teatral Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1982. teatral. SPOLIN, Viola. Improvisação para o teatro São Paulo: Editora Perspectiva, 1979. teatro. SPOLIN, Viola. O jogo teatral no livro do diretor. São Paulo: Perspectiva, 1999. STANISLAVSKI, Constantin. A construção da personagem. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1986. construção _______________. A criação de um papel Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1984. papel. WEKWERTH, Manfred. Diálogo sobre a encenação: um manual de direção teatral. Tradução de Reinaldo Mestrinel. São Paulo: Editora Hucitec, 1984.

Página | 8

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

PROFESSOR ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO INFANTIL Construção histórica do conceito de infância; Infância e contemporaneidade; História da educação infantil no Brasil; Concepções de educação infantil; Legislação sobre a infância e a educação infantil no Brasil; Aprendizagem e Desenvolvimento : aspectos teórico-metodológicos da educação infantil; Organização do tempo-espaço e relações na Educação Infantil; O brincar na Educação Infantil; a Educação Infantil e as novas tecnologias. A relação Cuidar/Educar. O Processo de adaptação da criança. A organização do tempo e do espaço na Educação Infantil. A documentação pedagógica (planejamento, registro e avaliação). Princípios que fundamentam a Prática na Educação Infantil. Pedagogia da Infância, dimensões humanas, direitos da infância e a relação creche/família. As instituições de Educação Infantil como espaço de ­ produção das culturas infantis. Parâmetros Nacionais de Qualidade para a Educação Infantil. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Política Nacional de Educação: pelo direito das crianças de zero a seis anos à Educação. A formação do pensamento lógico da criança. Currículo: Linguagens Geradoras do Conhecimento - (matemática, oral e escrita, movimento, artística, natureza e sociedade), planejamento, organização dos conteúdos e avaliação. Projetos de Trabalho. RECOMENDADAS: BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: ANTUNES, Celso. A Construção do Afeto Como estimular as múltiplas inteligências de seus filhos. São Afeto: . Paulo: Augustos, 2001. ARIÉS, P. História social da criança e da família. Trad. Dora Flaksman. 2.ed. Rio de Janeiro: Livros família. Técnicos e Científicos, 1981. BARBOSA, Maria Carmen Silveira & HORN, Maria da Graça Souza. Projetos pedagógicos na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2008. BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Por amor e por força: Rotinas na Educação Infantil Porto Alegre: Infantil. Artmed, 2006. FILHO, Gabriel de A. J. Linguagens Geradoras seleção e articulação de conteúdos em Educação Infantil. Geradoras: . Porto Alegre: mediação, 2005. GASPARIN, Jão Luiz. Uma didática para a pedagogia histórico-crítica Campinas, São Paulo: Autores histórico crítica. istóricoAssociados, 2011. HOFFMAN, Jussara. Avaliação na pré-escola Um olhar sensível e reflexivo sobre a criança. 10ª Edição. pré-escola: Porto alegre: Mediação, 2001. KISHMOTO. Tizuko Morchida. Jogos brinquedo, brincadeira e a educação São Paulo: Cortez, 1996. educação. KUHLMANN JR., M., (1998). Infância e educação infantil uma abordagem histórica. Porto Alegre: infantil: Mediação. PROPOSTA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL. Chapecó, Santa Catarina. 2006. VYGOSTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1992. Linguagem. _____________ A formação social da mente São Paulo: Martins Fontes, 1984. mente. PALFREY John , Urs Gasser. Nascidos na era digital: entendendo a primeira geração de nativos digitais. Porto Alegre: Artmed, 2011.

Página | 9

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

SARMENTO, M.J.; CERISARA, A.B. (Org.). Crianças e miúdos: perspectivas sócio-pedagógicas da infância e educação. Porto: Asa, 2004. ZABALZA, Miguel A. Qualidade em Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed, 1998. PROFESSOR ENSINO SUPERIOR 1ª A 5ª SÉRIE E EJA Tendências pedagógicas, concepções filosóficas, políticas e a prática pedagógica das séries iniciais e EJA. Projeto Político Pedagógico: concepção, princípios e eixos norteadores. O papel social da escola e do educador. A interdisciplinaridade no processo de ensinar e aprender. A educação inclusiva. A teoria histórico-cultural, a pedagogia histórico - critica e a didática de projeto. Currículo: planejamento, seleção e organização dos conteúdos. Funções da EJA. Oralidade. Conceito: Língua e ensino da língua, a alfabetização e letramento. Avaliação no processo de alfabetização e letramento. Objetos de conhecimento/conceitos fundamentais do ensino de história, de geografia, e de ciência: tempo, cultura, fontes históricas, paisagens, sociedade, natureza, ambiente, relação entre ser humano e ambiente. Os campos conceituais da matemática: números e operações, grandezas e medidas, resolução de situações problemas. Temas transversais e formação de valores. Psicologia da Educação Psicologia da aprendizagem e do desenvolvimento. Concepção da Educação de Jovens e Adultos. Andragogia. Funções na Educação de Jovens e Adultos. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: BRASIL, Secretaria da Ed. Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais ­ Lingua Portuguesa. Vol 2, Brasilia: Ministério da Educação e Cultura(PCN 1º e 2º ciclos, 1998) FREIRE, Paulo. Educação como prática de Liberdade. 34 ed. São Paulo; Paz e Terra,2011. GASPARIN, João Luiz. Uma didática para a Pedagogia Histórico ­ Critica. Campinas, 5ª Ed. Ver.São Paulo: Autores associados, 2011. LEMLE, Miriam. Guia Teórico do Alfabetizador São Paulo: Ática, 1987. Alfabetizador. RIPOLI, Edilene Aparecida [et al] A educação especial na perspectiva da inclusão escolar a escola comum perspectiva escolar: inclusiva. Ministério da Educação, Secretaria Educação Especial Fortaleza. Universidade Federal do Ceará, 2010. SMOLKA, Ana Luiza. A criança na fase inicial da escrita: alfabetização como processo discursivo. 2 ed., São Paulo: Cortez/Campinas: Ed. Unicamp, 1989. SOARES, Magda. Alfabetização e Letramento São Paulo: Contexto, 2003. Letramento. TOLEDO, Marilia. Didática da matemática como dois e dois: A construção da matemática. São Paulo: FTD, matemática: 1997 ­ ( Conteúdo e Metodologia) CENTURION, Marilia. Conteúdo e metodologia da matemática: números e operações. São Paulo: Ed. Spicione, 2002 ­ (Série didática ­ classes magistério) BIGODE, Antonio José Lopes. GUIMARÃES, Joaquim. Matemática do cotidiano e suas conexões 1ª ed. São conexões. Paulo: FTD, 2005. (4ª série)

Página | 10

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

LUCA, Anelise G. de. Metodologia e Conteúdos Básicos de Ciências Naturais. Associação Educacional Naturais Leonardo da Vinci (ASSELVI) Indaial: Ed. ASSELVI, 2007 BRASIL. Publicações Institucionais Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Ensino fundamental de 9 anos: orientações para a inclusão da criança de 6 anos de idade. Brasília, 2007. BRASIL. Ministério da Educação. SEESP. Acessibilidade arquitetônica In: BRASIL. Ministério da arquitetônica. Educação. Atendimento educacional especializado: deficiência física. Brasília, 2007. p. 105 -108. especializado: ________. Inclusão escolar de alunos cegos e baixa visão. In_. Atendimento educacional especializado: deficiência visual. Brasília, 2007. p. 13 -27. CARVALHO, Marília Pinto de. O Fracasso escolar de meninos e meninas: articulações entre gênero e meninos cor/raça. In: PISCITELLI, Adriana et al. (Org.). Olhares feministas. Brasília: Ministério da Educação; UNESCO, 2009. p. 307 - 339. HOFFMANN, Jussara. Avaliar respeitar primeiro, educar depois. Porto Alegre: Mediação, 2008. Avaliar: COLOMER, Teresa; CAMPS, Anna. Ensinar a ler, ensinar a compreender Porto Alegre: Artmed, 2002. cap. compreender. 2 - 4. PERRENOUD, Phillipe. Escola e cidadania Porto Alegre: Artmed, 2005. cap. 1 e 4. cidadania. BITTENCOURT. Circe. O ensino da História: fundamentos e métodos São Paulo: Ed. Cortez, 2004 métodos. VESENTINI, Willian. Geografia, Natureza e Sociedade. 3ª Ed. São Paulo: Editora Contexto, 1992 ALMEIDA, R. D. e PASSINI, E. Y. Espaço Geográfico: ensino e representação. São Paulo. Editora Contexto, 1989. BEACHAMP, Jeanete; PAGEL, Denise Sandra; NASCIMENTO, Aracélia Ribeiro do. (org.). Indagações sobre avaliação. o currículo e avaliação Brasília Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica, 2008. NASPOLIN, Ana Tereza. Didática de Português: tijolo por tijolo ­ leitura e produção escrita. São Paulo: FTD, 1996. REGO, Tereza Cristina. Vigotsky: uma perspectiva histórica cultural da educação. Petrolópis, RJ: Vozes, 1995. CURY, Carlos Janil. Diretrizes Curriculares Nacionais. 2000. In: SOARES, Leôncio J.G. Educação de jovens e . adultos: diretrizes curriculares. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, autonomia: 2004. KNOWLES, Malcom S. Aprendizagem de resultados uma abordagem prática para aumentar a efetividade da educação corporativa. Tradução: Sabine Alexandra Holler. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. PROFESSOR ENSINO SUPERIOR 6ª a 9ª SÉRIE E EJA ARTE Os diferentes tipos de linguagem (Comunicação), ou as diferentes formas de comunicar. A linguagem corporal ou gestual. O Ritmo do universo e do corpo. Aspectos, sociais e históricos das diferentes formas de dança: erudita, popular, folclórica, antiga e contemporânea. A representação corporal como produção coletiva nas diferentes culturas, períodos estudados e experiências escolares; jogos e

Página | 11

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

brincadeiras. História da dança. A especialidade do conhecimento artístico e estético. A produção artística da humanidade em diversas épocas, diferentes povos, países, cultura. Identidade e diversidade cultural. Arte-Linguagem: O homem ­ ser simbólico. Os signos não verbais. As linguagens da arte: visual, audiovisual, música, teatro e dança. Leitura e análise. O papel da arte na educação. O ensino e a aprendizagem em arte. Fundamentação teórico-metodológica. O fazer artístico, a apreciação estética e o conhecimento histórico. Teoria da música. História da música. Função da música, valores e finalidades atribuídas a ela nos diferentes povos e períodos estudados. O ensino da música na prática escolar. Noções básicas da notação musical e suas terminologias: pauta, claves, notas, pausas, altura, duração, intensidade, timbre. Elementos da música: melodia, harmonia e ritmo. Estilos musicais. Noções de harmonia e instrumentação. Percussões e sons com o corpo. História do teatro. Ação;espaço; tempo; movimento. Estrutura do Jogo teatral: o que, quem, onde. Objetivo e foco do jogo teatral. Ação dramática: a imaginação, a atenção no acontecimento. Gêneros teatrais. Elementos formais da linguagem cênicatexto, personagens, caracterização, cenografia, iluminação, sonoplastia, maquiagem. A improvisação e o diálogo; o teatro como produção cultural e apreciação estética. Teatro e encenadores brasileiros: Antunes Filho, Gerald Thomas, Zé Celso Martinez Correa. Concepção da Educação de Jovens e Adultos. Andragogia. Funções na Educação de Jovens e Adultos. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: PORTINATI,Maribel. História da Dança 2ª Ed. Nova Fronteira-1995. Dança. MARQUES, I. A dança criativa e o mito da criança feliz. Revista Mineira de Educação física,v.5, 1997. ___ Ensino de Dança Hoje: textos e contextos. São Paulo, Cortez, 1999. LABAN, R. Dança educativa moderna São Paulo: Ícone, 1990. moderna. ARGAN, Giulio Carlo. Arte moderna São Paulo: Companhia das Letras, 1992. moderna. BARBOSA, Ana Mae. Arte/educação contemporânea consonâncias internacionais. São Paulo: Cortez, contemporânea: 2006. CALABRIA, Carla P. Arte, história e produção São Paulo: FTD, 1997. produção. DONDIS, Donis. Sintaxe da Linguagem Visual 3 Ed. São Paulo, 1991. Visual. JANSON, H. W. História geral da arte, o mundo antigo e a idade média São Paulo: Martins Fontes, 1993. antigo média. JANSON, H. W. História geral da arte, renascimento e barroco. São Paulo: Martins Fontes, 1993. LEONARDI, A. C.; CANTELE, B. R. Arte e habilidade. 2 ed. São Paulo: IBEP, 2004. OLIVEIRA, Sandra Ramalho. Imagem também se lê São Paulo: Rosari, 2006. Imagem lê. OSTROWER, Fayga. Criatividade e processo de criação. 15 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2001. BRASIL, Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Básica. Resolução nº 4, Básica 13 de julho 2010. Brasília. Distrito Federal. Brasil. Dicionário OXFORD de Música. GRIFFTHS, Paul. A música moderna Rio de Janeiro: Zahar, 1897. moderna. LOUREIRO, Alicia M. A. O ensino da música na escola fundamental Campinas: Papirus, 2003. fundamental. . MED, Bohumil. Teoria da Música 4 ed. Brasília: Musimed, 1996. Música. NEVES, José Maria. Música contemporânea Brasileira. São Paulo: Ricordi Brasileira, 1981.

Página | 12

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

ROSEN, Charles. A Geração Romântica São Paulo: EDUSP, 2000. Romântica. SWANWICK, Keith. Ensinando música musicalmente São Paulo: Moderna, 2003. musicalmente. MIRANDA, CLARICE. História da música- a música e sua relação com outras artes. Curitiba: Expoente, música2010. ( Coleção História da Música vol.I e II ). BERTHOLD, Margot. História mundial do teatro São Paulo: Perspectiva, 2000. teatro. BRANDÃO, Junito de Souza. Teatro greg tragédia e comédia. Petrópolis: Vozes, 1984. grego: CHACRA, Sandra. Natureza e sentido da improvisação teatral São Paulo: Perspectiva, 1991. teatral. COURTNEY, Richard. Jogo, teatro e pensamento São Paulo: Perspectiva, 1980. pensamento. KOUDELA, Ingrid. Jogos teatrais São Paulo: Editora Perspectiva, 1992. teatrais. KOUDELA, Ingrid. Texto e jogo São Paulo: Perspectiva, 1996. jogo. ROUBINE, Jean-Jacques. A linguagem da encenação teatral. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1982. SPOLIN, Viola. Improvisação para o teatro São Paulo: Editora Perspectiva, 1979. teatro. CURY, Carlos Janil. Diretrizes Curriculares Nacionais. 2000. In: SOARES, Leôncio J.G. Educação de jovens e . adultos: diretrizes curriculares. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, autonomia: 2004. KNOWLES, Malcom S. Aprendizagem de resultados uma abordagem prática para aumentar a efetividade da educação corporativa. Tradução: Sabine Alexandra Holler. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. PROFESSOR ENSINO SUPERIOR 9ª 6ª a 9ª SÉRIE E EJA CIÊNCIAS O universo: formação do universo; o sistema solar; o planeta terra; crosta terrestre; terra ­ sol ­ lua; biosfera. Atmosfera: características; propriedades; componentes; pressão atmosférica; meteorologia; poluição da Atmosfera. Água: composição; estados físicos da água; a água no meio ambiente; uso e consumo da água; processos de tratamento da água; a água e a saúde. Solo: formação; rochas; solo; erosão e queimadas; uso sustentável do solo; os minerais. Ecologia: ecossistemas; comunidades; populações; cadeia alimentar ­ equilíbrio e desequilíbrio; transferência de energia e matéria nos ecossistemas; relações entre os seres vivos; equilíbrio ecológico. Higiene e Saúde: saúde e doenças; prevenção. Origem da Vida e Evolução: organização celular dos primeiros seres vivos; seleção natural; matéria viva e matéria bruta; evolução dos seres vivos. Educação Ambiental ­ representações e práticas sociais em Educação Ambiental; Biodiversidade; Classificação dos seres vivos; vírus: características gerais; doenças. Reino Monera: bactérias; cianofíceas. Reino Protista: algas e protozoários; Reino Fungi: características gerais; fermentação. Reino Vegetal: algas; vegetais inferiores; vegetais superiores; características gerais. Reino Animal: principais características dos vertebrados ­ peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos ­ principais características invertebrados ­ artrópodes, equinodermos, poríferos, cnidários, platelmintos, nematelmintos, anelídeos, moluscos. Organização do Corpo Humano: da célula ao organismo: citologia; histologia; funções de nutrição; alimentos; saúde e alimentação; anatomia e fisiologia dos sistemas; sistema de sustentação; sistema muscular; os sentidos; sistemas de

Página | 13

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

coordenação e controle; sistema reprodutor e reprodução humana; noções de hereditariedade; sistema circulatório; sistema respiratório; excreção; O corpo: desenvolvimento e maturidade. Principais grandezas físicas escalares; noções de termologia; óptica; eletricidade; magnetismo; mecânica (movimentos); trabalho ­ máquinas simples; ondas; força ­ Leis de Newton; atração gravitacional. Introdução ao Estudo da Química: noções gerais de matéria; mudanças de estado de substâncias e misturas; sistemas; substâncias; misturas; átomo e suas partes; classificação periódica dos elementos; ligações químicas; funções e reações químicas; classificação e nomenclatura. Aquecimento global- efeito estufa, chuva ácida, destruição da camada de ozônio. Concepção da Educação de Jovens e Adultos. Andragogia. Funções na Educação de Jovens e Adultos. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: BAROLLI, Elisabeth; GONÇALVES FILHO, Aurélio. Nós e o Universo 2 ed. São Paulo: Scipione, 1991. Universo. BELTRAN, Nelson Orlando; CISCATO, Carlos A. M. Química 2 ed. São Paulo: Cortez, 1991. Química. BRANCO, Samuel Murgel. O meio ambiente em debate 26 ed. São Paulo: Moderna, 1997. ambiente debate. BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais Brasília: MEC/SEF, Nacionais. 1998. Volume: Ciências Naturais. BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais Brasília: MEC/SEF, Nacionais ais. 1998. Volume: Temas Transversais. CANTO, Eduardo Leite do. Minerais, Minérios, Metais 2 ed. São Paulo: Moderna, 1996. Metais. CANTO, Eduardo Leite do. Ciências Naturais Aprendendo com o cotidiano ­ 6º a 9º ano. 3ª ed. São Paulo: Naturais: Moderna, 2009. CARVALHO, Anna M. P. de; GIL-PÉREZ, Daniel. Formação de professores de ciências: tendências e inovações. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1995. CARVALHO, I. C. de M. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2004. CAVINATTO, Vilma Maria. Saneamento básico: fonte de saúde e bem estar. 7 ed. São Paulo: Moderna, 1992. GRUPO DE REELABORAÇÃO DO ENSINO DE FÍSICA (GREF). Mecânica, v. 1, 4 ed. Física Térmica, v. 2, 3 ed. Eletromagnetismo, v. 3, 2 ed. São Paulo: EDUSP, 1995. HARA, Massao. A água e os seres vivos. 3 ed. São Paulo: Scipione, 1991. HENNING, Georg J. Metodologia do Ensino de Ciências. 2 ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1994.. RODRIGUES, Rosicler Martins. Vida e Saúde. 3 ed. São Paulo: Moderna, 1993. SANTA CATARINA. Secretaria do Estado da Educação e do Desporto. Proposta Curricular de Santa Médio: Catarina: Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplinas Curriculares. ­ Florianópolis: COGEN, 1998. SILVA, Jr, César da; SASSON, Sezar. Biologia. 4 ed. São Paulo: Saraiva, v. 1, 2 e 3, 1995. CURY, Carlos Janil. Diretrizes Curriculares Nacionais. 2000. In: SOARES, Leôncio J.G. Educação de jovens e . adultos: diretrizes curriculares. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, autonomia: 2004.

Página | 14

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

KNOWLES, Malcom S. Aprendizagem de resultados uma abordagem prática para aumentar a efetividade da educação corporativa. Tradução: Sabine Alexandra Holler. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. PROFESSOR ENSINO SUPERIOR 6ª a 9ª SÉRIE E EJA EDUCAÇÃO FÍSICA A educação física no Brasil ­ sua história. A importância social da Educação física: na escola, no lazer, na formação do indivíduo e na transformação social. A educação física no desenvolvimento infantil, no ensino fundamental. Avaliação em educação física. A relação ensino aprendizagem numa visão sóciointeracionista. Educação Física escolar e cidadania. Parâmetros Curriculares nacionais de Educação física. A educação inclusiva na educação física. Competição, cooperação e transformação didático pedagógica. Dimensões biológicas aplicadas à Educação Física e ao Esporte: as mudanças fisiológicas resultantes da atividade física; nutrição e atividade física. Socorros de urgência aplicados à Educação Física Fisiologia do exercício. Esportes: atletismo, futebol de campo, futsal, basquete, vôlei, handebol, esportes com bastões, técnicas e táticas, regras e penalidades. Organização de eventos esportivos. Jogos pré-desportivos. Brincadeiras da cultura popular. Lutas: judô, capoeira. Danças, Atividades Rítmicas e Expressivas. Percepção corporal e espaço-temporal. Ginásticas de preparação e aperfeiçoamento para a dança; de preparação e aperfeiçoamento para os esportes, jogos e lutas; ginástica olímpica e rítmica desportiva. Organização e legislação do ensino da educação física. Código de Ética dos Profissionais de Educação Física ­ Resolução n° 056/2003. Concepção da Educação de Jovens e Adultos. Andragogia. Funções na Educação de Jovens e Adultos. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: BETTI, M. Educação física e sociedade São Paulo: Movimento, 1991. sociedade. CASTELLANI FILHO, L. Educação Física no Brasil: a história que não se conta. Campinas: Papirus, 1988. CASTELLANI FILHO, Lino et al. Metodologia de ensino da educação física. São Paulo: Cortez, 2004. física DAÓLIO, J. Da cultura do corpo Campinas: Papirus, 1995. corpo. FEGEL, M. J. Primeiros Socorros no Esporte 1 ed. São Paulo: Manole, 2002. Esporte. FREIRE, J. B. Educação de corpo inteiro São Paulo: Scipione, 1989. inteiro. GUYTON, A. C.; HALL, J. E. Tratado de fisiologia médica. 11 ed. Elsevier, 2006. médica KUNZ, Elenor. Didática da educação física ­ Volume 1. Ijuí: Unijuí, 2003. . KUNZ, Elenor. Didática da educação física ­ Volume 2. Ijuí: Unijuí, 2002. KUNZ, Elenor. Transformação didático-pedagógica do esporte Ijuí: Unijuí, 2000. didáticoesporte. McARDLE, W. D. et al. Fisiologia do exercício, energia, nutrição e desempenho humano 4 ed. Rio de humano. . Janeiro: Ganabara Koogan S. A., 1998. BRASIL, Secretaria da Ed. Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Brasilia:MEC/SEF, 1997. TANI,G.; MANOEL,E.J.; KOKOBUN,E; e PROENÇA,J.E. Educação Física escolar: fundamentos de uma abordagem desenvolvimentista. São Paulo: Edusp/EPU, 1988.

Página | 15

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

ALBUQUERQUE, Silmara. A Educação física no ensino fundamental Curitiba: Expoente, 2008. fundamental. SANTA CATARINA. Secretaria do Estado de Educação e do Desporto. Proposta Curricular de Santa Catarina: Disciplina Curriculares. Florianópolis: Cogen CURY, Carlos Janil. Diretrizes Curriculares Nacionais. 2000. In: SOARES, Leôncio J.G. Educação de jovens e . adultos: diretrizes curriculares. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2004. KNOWLES, Malcom S. Aprendizagem de resultados uma abordagem prática para aumentar a efetividade da educação corporativa. Tradução: Sabine Alexandra Holler. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. PROFESSOR ENSINO SUPERIOR 1ª a 9ª SÉRIE ENSINO RELIGIOSO O Ensino Religioso no contexto do Ensino Fundamental. Diversidades culturais religiosas no Brasil na Atualidade. Conteúdos do Ensino Religioso em diferentes denominações religiosas. Fundamentos gerais do Ensino Religioso. História e legislação do Ensino Religioso. Fundamentos epistemológicos do Ensino Religioso. Paradigmas educacionais do Ensino Religioso. Fundamentos específicos do Ensino Religioso. Culturas e tradições religiosas. Fenômeno Religioso: teologias e outros discursos; Textos Sagrados Orais e Escritos; Ethos no Ensino Religioso. Fundamentos da Prática no Ensino Religioso. Parâmetros Curriculares Nacionais ­ Ensino Religioso. Ritos. História das Religiões. Religião e ciência. Ensino religioso e direitos humanos. Ideias do Transcendente. Espiritualidade. Concepção da Educação de Jovens e Adultos. Andragogia. Funções na Educação de Jovens e Adultos. BIBLIOGRAFIAS BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: BRUSTOLIN, Leomar Antônio. Saberes Sagrados nas Tradições Religiosas em Ensino Religioso e Ensino perspectivas. Superior, caminhos e perspectivas Porto Alegre CNBB ­ Sul 3, 2002. CATÃO, Francisco. O Fenômeno Religioso. São Paulo: Letras & Letras, 1995. Religioso CRUZ, Therezinha M. I. da. Descobrindo novos caminhos. São Paulo: FTD, 2006. DELUMEAU, Jean; MELCHIOR_BONNET, Sabine. De religiões e de homens. São Paulo: Loyola, 2000. FILORAMO, Giovanni; PRANDI, Carlo. As ciências das religiões. São Paulo: Paulus, 1999. FONAPER. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso. São Paulo: Ave Maria, 1995. JUNQUEIRA, S.R.A.; MENEGUETTI, R.G.K.; WASCHOWICZ, L.A. Ensino religioso e sua relação pedagógica pedagógica. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. QUEIRUGA, André Torres. O diálogo das religiões São Paulo: Paulus, 1997. diálogo religiões. VIESSER, Lizete C. Um Paradigma didático para o Ensino Religioso Rio de Janeiro: Vozes, 1994. Religioso. WILGES, Irineu. As religiões do mundo. Petrópolis: Vozes, 1983. ZILLES, Urbano. As religiões ­ crenças e crendices. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1997. CURY, Carlos Janil. Diretrizes Curriculares Nacionais. 2000. In: SOARES, Leôncio J.G. Educação de jovens e . adultos: diretrizes curriculares. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

Página | 16

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, autonomia: 2004. KNOWLES, Malcom S. Aprendizagem de resultados uma abordagem prática para aumentar a efetividade da educação corporativa. Tradução: Sabine Alexandra Holler. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. ENSINO PROFESSOR ENSINO SUPERIOR 6ª a 9ª SÉRIE E EJA GEOGRAFIA Cultura afro- brasileira e indígena. A evolução do pensamento geográfico e os novos paradigmas de ciência. As fontes e a evolução da concepção da natureza do homem e da economia na geografia: os impactos da economia mundial sobre o meio ambiente e suas relações com a sociedade. Abordagem dos conceitos da geografia de paisagem, espaço, sociedade, região, território. Geopolítica da globalização: organismos internacionais, comércio internacional e desigualdades. Metodologia do ensino e aprendizagem da geografia: os novos recursos didáticos; As diferentes propostas curriculares e o livro didático na geografia; Ensino e pesquisa em geografia. Alfabetização e linguagem cartográfica. A cartografia nos diversos níveis de ensino. Orientação, localização e representação da terra. A divisão política, administrativa e o planejamento do território brasileiro. As regiões geoeconômicas brasileiras. Conceitos demográficos fundamentais. Crescimento populacional. Teorias demográficas e desenvolvimento sócio-econômico. População: distribuição geográfica, estrutura, migrações. O processo de industrialização e a urbanização brasileira e as consequências ambientais. Relação cidade e campo. A geografia agrária e as transformações territoriais no campo brasileiro. Agricultura e meio ambiente. Brasil, território e nação: A produção do espaço geográfico brasileiro, o Brasil e a nova ordem mundial e o Brasil no contexto regional. Organizações e blocos econômicos. Conflitos, problemas e propostas do mundo atual. Quadro natural (relevo vegetação, clima, solos e hidrografia) numa perspectiva global, nacional e regional. Clima e aquecimento global. Conservação, preservação e degradação ambiental no Brasil; Políticas públicas e gestão ambiental no Brasil. Representações e práticas sociais em educação ambiental; Espaço e turismo no ensino da geografia. Concepção da Educação de Jovens e Adultos. Andragogia. Funções na Educação de Jovens e Adultos. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: ADAS, Melhem. Geografia: construção do espaço geográfico. 5 ed. São Paulo: Moderna, 2006. BOLIGIAN, Levon. Geografia espaço e vivência 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2007. vivência. BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais de Geografia Geografia. Secretaria de Educação Fundamental ­ Brasília: MEC/SEF, 1998. BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais apresentação dos Nacionais: temas transversais, ética. Secretaria de Educação Fundamental ­ Brasília: MEC/SEF, 1998. CALLAI, Helena Copeti. O ensino de Geografia Ijuí, RS: UNIJUÍ, Editora, 1998. ensino Geografia. CARVALHO, I. C de M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2004 LUCCI, Elian A. Território e sociedade no mundo globalizado geografia geral e do Brasil. São Paulo: globalizado:

Página | 17

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

Saraiva, 2005. MENDES,João. Fundamentos e Metodologia do Ensino de Geografia Curitiba: Ed. Fael, 2010. Geografia. MORAES, Paulo R. Geografia geral e do Brasil 3 ed. Harbra, 2005. Brasil. . SANTA CATARINA. Secretaria de Estado da Educação e do Desporto. Proposta Curricular de Santa Médio: Catarina: Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplinas Curriculares. ­ Florianópolis: COGEN, 1998. SANTOS, Milton. Por uma geografia nova São Paulo: Edusp, 2008. nova. TAMDJIAN, James Onnig; MENDES, Ivan Lazzari. Geografia geral e do Brasil estudos para compreensão Brasil: do espaço. Ensino médio/ volume único. São Paulo: FTD, 2005 CURY, Carlos Janil. Diretrizes Curriculares Nacionais. 2000. In: SOARES, Leôncio J.G. Educação de jovens e . adultos: diretrizes curriculares. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, autonomia: 2004. KNOWLES, Malcom S. Aprendizagem de resultados uma abordagem prática para aumentar a efetividade corporativa. da educação corporativa Tradução: Sabine Alexandra Holler. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. PROFESSOR ENSINO SUPERIOR 6ª a 9ª SÉRIE E EJA HISTÓRIA Ensino da História: saber histórico escolar. Conhecimentos e conceitos produzidos historicamente pela humanidade, presente nos vários temas/conteúdos que compõem a História de Santa Catarina, História do Brasil, História da América, História da África e História Geral. História e Cultura Afro-brasileira e Indígena (Lei n° 10.639/2003 e Lei n° 11.645/2008). Temporalidade, tempo/espaço, cultura, cotidiano, relações sociais e de poder, gênero, atnia, Imaginário, memória, identidade, relações de produção. Concepção da Educação de Jovens e Adultos. Andragogia. Funções na Educação de Jovens e Adultos. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: BITTENCOURT, Circe Maria (org.) O saber histórico da sala de aula São Paulo. Contexto, 1998 . histórico aula. ________. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Curriculares Nacionais. Historia e Geografia. Brasília, DF, 1997. BOSI, Eclea. Memória e Sociedade lembranças de velhos. São Paulo: EDUSP, 1996. Sociedade: FAUSTO, Boris (org.). História Geral da Civilização Brasileira São Paulo. DIFEL, 1960. Brasileira. .). PRADO JR. Caio. Evolução política do Brasil São Paulo: Brasiliense, 1985. Brasil. ANDERSON,Perry. Passagens da Antiguidade ao Feudalismo. São Paulo: Brasiliense, 1987. DONGHI, T.H. História da América Latina Rio de Janeiro: Paz e Tera., 1975. Latina. AURAS, Marli. Guerra do Contestado a organização da irmandande cabocla: Florianópolis/São Paulo: Contestado: UFSC/Cortez, 1984. CENTRO de Organizações da Memória Sócio Cultura do Oeste. Para uma História do Oeste Catarinense História Catarinense: 10 anos de CEON. Chapecó: UNOESC, 1995.

Página | 18

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

CABRAL, Oswaldo Rodrigues. A História de Santa Catarina 3. Ed. Florianópolis: Lunardelli, 1987. Catarina. CURY, Carlos Janil. Diretrizes Curriculares Nacionais. 2000. In: SOARES, Leôncio J.G. Educação de jovens e . adultos: diretrizes curriculares. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, autonomia: 2004. KNOWLES, Malcom S. Aprendizagem de resultados uma abordagem prática para aumentar a efetividade prática da educação corporativa. Tradução: Sabine Alexandra Holler. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. TEIXEIRA, Francisco M. P. Brasil história e sociedade São Paulo: Ática, 2000. sociedade. PROFESSOR ENSINO SUPERIOR 6ª A 9ª SÉRIE E EJA MATEMÁTICA MATEMÁTICA Sistemas de numeração. Conjuntos. Conjuntos numéricos. Operações: múltiplos, divisores, Frações. Números decimais. Medidas: área, perímetro, comprimento, capacidade, volume. Equação, inequação e função de 1º e 2º grau. Porcentagem. Proporcionalidade. Sistema de equações. Polígonos. Funções e relações: exponencial e logarítima. Progressões (PA e PG). Matrizes. Determinantes e sistemas lineares. Probabilidade. Polinômios e equações algébricas. Trigonometria no triângulo. Semelhança. Congruência. Teoremas: Tales e Pitágoras. Geometria: Figuras geométricas e planas: quadrado, retângulo, triângulo, círculo; sólidos geométricos: cubo, paralelepípedo, prisma, cilindro, pirâmide, cone; esfera: cálculo de perímetros, áreas e volumes. Matemática financeira: juros simples, cálculo do montante e do principal. Juros compostos: cálculo do montante e do principal. Didática do ensino da matemática. Concepção da Educação de Jovens e Adultos. Andragogia. Funções na Educação de Jovens e Adultos. RECOMENDADAS: BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: BEZERRA, Manuel Jairo. Matemática: 2° grau volume único. São Paulo: Scipione, 1994. BOYER, Carl. História da matemática 2 ed. São Paulo: Edgard Blucher, 1999. matemática. DANTE, Luiz Roberto. Matemática Volume único. São Paulo: Ática, 2005. Matemática: GIOVANNI, José Rui; BONJORNO, José Roberto. Matemática Completa São Paulo: FTD, 2005 Completa. NERY, Chico; TROTTA, Fernando. Matemática: curso completo. São Paulo: Moderna, 1986. MIGUEL, A; MIORIN, M.A. História da Educação Matemática propostas e desafios. Belo Horizonte: Matemática: Autência, 2004. PARRA, C. Didática da Matemática reflexões psicopedagógicas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. Matemática: CURY, Carlos Janil. Diretrizes Curriculares Nacionais. 2000. In: SOARES, Leôncio J.G. Educação de jovens e . adultos: diretrizes curriculares. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, autonomia: 2004. KNOWLES, Malcom S. Aprendizagem de resultados uma abordagem prática para aumentar a efetividade corporativa. da educação corporativa Tradução: Sabine Alexandra Holler. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

Página | 19

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

PROFESSOR ENSINO SUPERIOR 6ª A 9ª SÉRIE E EJA LÍNGUA ESTRANGEIRA ­ ESPANHOL Interpretação de textos e palavras em espanhol. Aprendizagem: leitura e escrita. Didática: métodos, técnicas, livro didático, recursos e material didático. Processo Ensino-Aprendizagem: avaliação, recuperação. Planejamento de Aula: habilidade - objetivos à avaliação. Métodos e processos no ensino da leitura. Instrumentos e atividades pedagógicas. Parâmetros Curriculares Nacionais. Relacionamento: Professor x Aluno. Função e Papel da Escola. Concepção da Educação de Jovens e Adultos. Andragogia. Funções na Educação de Jovens e Adultos. Metodologia do ensino da Língua Estrangeira. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: BUITRAGO, Alberto. Diccionario de dichos y frases hechas. Madrid: Espasa Calpe, 1999. GÓMEZ TORREGO, Leonardo. Gramática didáctica del español Madrid: SM, 2000. español. JUNCEDA, Luis. Diccionario de refranes Madrid: Espasa Calpe, 1998. refranes. MATTEBOM, Francisco. Gramática comunicativa del español. Madrid: Edelsa, 1995, v. 2. comunicativa REAL ACADEMIA ESPAÑOLA. Diccionario de la lengua española Madrid: Espasa Calpe, 1995, v. 2. española. SECO, Manuel. Diccionario de dudas y dificultades de la lengua española. Madrid: Espasa Calpe, 1994. SECO,Manuel. Gramática esencial de español. Madrid, Espasa Calpe, 1989. Gramática CURY, Carlos Janil. Diretrizes Curriculares Nacionais. 2000. In: SOARES, Leôncio J.G. Educação de jovens e . adultos: diretrizes curriculares. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, autonomia onomia: 2004. KNOWLES, Malcom S. Aprendizagem de resultados uma abordagem prática para aumentar a efetividade da educação corporativa. Tradução: Sabine Alexandra Holler. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. PROFESSOR ENSINO SUPERIOR 6ª A 9ª SÉRIE LÍNGUA ESTRANGEIRA ­ INGLÊS Metodologia do ensino da língua estrangeira. Proposta curricular da língua estrangeira moderna. O ensino de língua para a comunicação. Dimensões comunicativas no ensino de inglês. Construção da leitura e escrita da língua estrangeira. A linguagem oral do inglês. Aspectos gramaticais da língua inglesa. Parâmetros Curriculares Nacionais ­ Língua Inglesa. Compreensão de texto. Preposições. Pronomes. Comparação de adjetivos. Superlativos. Todos os tempos verbais e formas afirmativa, negativa e interrogativa. Verbos regulares e irregulares (Passado). Falsos cognatos. Falsos Verbos. Conjunções. Plural. Discurso indireto. Caso genitivo. Fonologia. Concepção da Educação de Jovens e Adultos. Andragogia. Funções na Educação de Jovens e Adultos. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: FERRARI, Mariza; RUBIN, Sarah. Inglês: de olho no mundo do trabalho. 2 ed. São Paulo: Scipione, 2007.

Página | 20

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

Longman: Gramática escolar da Língua Inglesa. São Paulo: Longman, 2004. MARQUES, Amadeu. Inglês 7 ed. São Paulo: Ática, 2008. Inglês. MARTINEZ, Ron. Como dizer tudo em inglês 36 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2000. inglês. MARTINEZ, Ron. Como escrever tudo em inglês. 10 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2002. MURPHY, Raymond. Essential Grammar in Use. 2 ed. Cambridge: University Press, 198. Grammar THOMPSON, Patrick W.; BRENNAN, Dave K. English at hand São Paulo: FTD, 2002. hand. TORRES, Nelson. Gramática prática da língua inglesa o inglês descomplicado. 10 ed. São Paulo: Saraiva, inglesa: 2007. CURY, Carlos Janil. Diretrizes Curriculares Nacionais. 2000. In: SOARES, Leôncio J.G. Educação de jovens e . adultos: diretrizes curriculares. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, autonomia: 2004. KNOWLES, Malcom S. Aprendizagem de resultados uma abordagem prática para aumentar a efetividade da educação corporativa. Tradução: Sabine Alexandra Holler. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. PROFESSOR ENSINO SUPERIOR 6ª A 9ª SÉRIE E EJA PORTUGUESA LÍNGUA PORTUGUESA Prática pedagógica. Atividades de estímulo ao estudo e aprendizado. Metodologia de ensino da Língua Portuguesa. Projeto Político Pedagógico. Planejamento de aulas e avaliação de resultados. Relações de ensino-aprendizagem. Inovações na educação. Função social da escola e compromisso social do educador. Ética no trabalho docente. Currículo de Língua Portuguesa. Compreensão e interpretação de palavra, frase ou texto, reconhecimento e compreensão de diferentes tipos e gêneros textuais, coesão e coerência, recursos coesivos. Ortografia. Fonologia. Morfologia. Sintaxe. Semântica. Literatura: gêneros, períodos e estilos da literatura brasileira. Novo acordo ortográfico. Concepção da Educação de Jovens e Adultos. Andragogia. Funções na Educação de Jovens e Adultos. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: AZEREDO, José Carlos de. Gramática Houaiss da Língua Portuguesa 3 ed. São Paulo: Publifolha, 2010. Portuguesa. BAKHTIN, Mikhail M. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992. BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais Língua Portuguesa. Nacionais: Brasília: SEF. 1997. CEREJA, William R.; MAGALHÃES, Thereza C. Português: Linguagens. São Paulo: Atual, 2003. FARACO, Carlos E.; MOURA, Francisco. Literatura Brasileira 10. ed. São Paulo: Ática, 1999. Brasileira. FIORIN, J. L. Introdução à Linguística I objetos teóricos São Paulo: Contexto, 2002. teóricos. HOLANDA, Aurélio Buarque. Dicionário Aurélio da língua portuguesa 5 ed. Curitiba: Positivo, 2010. portuguesa. LIMA, Carlos H. da Rocha. Gramática normativa da língua portuguesa ­ segundo o novo acordo língua ortográfico. São Paulo: José Olympio, 2010. NICOLA, José de. Língua, Literatura e Redação 8. ed. São Paulo: Scipione, 1999 Redação.

Página | 21

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO. Reforma ortográfica da Língua Portuguesa: Como fica nossa língua escrita. Florianópolis: IOESC, 2009. TRAVVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e Interação uma proposta para o ensino de gramática. 9. Ed. São Interação: Paulo: Cortez, 2003. CURY, Carlos Janil. Diretrizes Curriculares Nacionais. 2000. In: SOARES, Leôncio J.G. Educação de jovens e . adultos: diretrizes curriculares. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, autonomia: 2004. KNOWLES, Malcom S. Aprendizagem de resultados uma abordagem prática para aumentar a efetividade da educação corporativa. Tradução: Sabine Alexandra Holler. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. PROFESSOR ENSINO SUPERIOR INTÉRPRETE DE LIBRAS Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva da Educação Inclusiva. Lei Nº. 10.436 de 24 de abril de 2002. Decreto Nº. 5.626 de 22 de dezembro de 2005. Lei Nº 12.319 de 1º de setembro de 2010. Atribuições do tradutor e intérprete de Libras. Ética do profissional tradutor / intérprete de Libras. O intérprete educacional. BIBLIOGRAFIAS BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: PORTAL MEC. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/secad> PERLIN,Gladis. A cultura surda e os intérpretes de Língua de Sinais, FTD - Educação temática digital, Sinais Campinas, v.7, n.2, jun/p.135-146, 2006. QUADROS, Ronice Muller de. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa / tradutor Secretaria de Educação Especial; Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos - Brasília : MEC ; SEESP, 2004. 94 p. PROFESSOR ENSINO SUPERIOR INSTRUTOR DE LIBRAS Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva da Educação Inclusiva. Lei Nº. 10.436 de 24 de abril de 2002. Decreto Nº. 5.626 de 22 de dezembro de 2005. Atribuições do instrutor de Libras. O ensino da Libras para ouvintes e surdos. Cultura e identidade surda. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: PORTAL MEC. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/secad> QUADROS, Ronice Muller de; KARNOPP, Lodenir Becker. Língua de sinais brasileira - estudos lingüísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004. PROFESSOR ENSINO SUPERIOR ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS) Atendimento educacional especializado: aspectos legais, pedagógicos, organizacionais. Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva da Educação Inclusiva. Atribuições do Professor do AEE. Sala de

Página | 22

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE CHAPECÓ (SC)

recursos multifuncionais. Deficiência Física e AEE. Deficiência Intelectual e AEE. Deficiência Visual e AEE. Pessoas com Surdez e AEE. Transtornos globais do Desenvolvimento e AEE. Decreto n° 6.571, de 17 de Setembro de 2008. Resolução n° 4, de 2 de outubro de 2009. BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS: PORTAL MEC. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/secad> ROPOLI, Edilene Aparecida [et.al.]. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar : a escola comum inclusiva. Brasília: Ministério da Educação,Secretaria de Educação Especial, 2010. GOMES, Adriana Leite Lima Verde. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar : o atendimento educacional especializado para alunos com deficiência intelectual / Adriana Leite Lima Verde Gomes,Jean-Robert Poulin, Rita Veira de Figueiredo. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2010. DOMINGUES, Celma dos Anjos. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar : os alunos com cegueira deficiência visual : baixa visão e cegueira / Celma dos Anjos Domingues ... [et.al.]. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. 2010. ALVEZ, Carla Barbosa. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar : abordagem bilíngue na escolarização de pessoas com surdez / Carla Barbosa Alvez, Josimário de Paula Ferreira, Mirlene Macedo Damázio. - Brasília : Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial ; 2010. SCHIRMER, Carolina R. [et al.]. - Deficiência Física - São Paulo: MEC/SEES, 2007.

Página | 23

Information

Microsoft Word - ANEXO I

23 pages

Find more like this

Report File (DMCA)

Our content is added by our users. We aim to remove reported files within 1 working day. Please use this link to notify us:

Report this file as copyright or inappropriate

875117